Dourados, MS - 24 de Novembro de 2017

14/11/2017 13h42

Ato em defesa do Suas mobiliza centenas na Praça Antônio João

Ato na Praça Antônio João foi para alertar quanto à proposta do governo federal, que prevê cortes nos recursos da Assistência Social

Fotos – A. Frota

“Esse ato é em defesa da política que apoia os que não tiveram oportunidade de estudo, de trabalho digno e precisam dos serviços que não podem ser desconstituídos”, pontuou Ledi Ferla, secretária de Assistência Social de Dourados, em protesto nesta manhã (14), na Praça Antônio João. O ato teve como objetivo alertar quanto à previsão de cortes no orçamento geral da União com impacto aos serviços da Assistência Social em todo o país.

 


Trabalhadores, gestores e usuários das atividades da Assistência Social de Dourados e de outros 12 municípios do entorno protestaram em defesa da continuidade dos serviços. Ledi Ferla explica que a medida prevê 98% de diminuição dos valores repassados pelo Governo Federal ao Suas (Serviço Único da Assistência Social) em todo Brasil.

 

“Os Cras (Centros de Referência da Assistência Social), os Creas (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) e as unidades de acolhimento seriam os mais prejudicados. Estamos lutando para que haja recomposição orçamentária, a assistência social precisa de expansão e não de cortes”, diz.

 

A secretária explica que a medida foi apresentada pelo Governo em setembro deste ano, em uma comissão intergestora tripartite e desde então os gestores da área tem se mobilizado contrários a mesma.

 

Tânia Mara Carlos Custódio, gerente de Assistência Social de Itaporã, destacou que os municípios se unem como colegiado da Grande Dourados para mostrar indignação quanto à proposta do governo federal.

 

“Estamos unidos pelos direitos dos cidadãos e também para sensibilizarmos sobre o que está acontecendo, não podemos retroceder”, pontua.

 

Ledi Ferla explica que foi realizada uma proposta de recomposição orçamentária na comissão de Seguridade Social tendo em vista reprimir o corte. Ela afirma que caso não ocorram avanços quanto à situação, outros atos podem ocorrer em breve. 








Leia mais notícias de Cidade

0 Comentários

publicidade