Dourados, MS - 17 de Julho de 2018

09/01/2018 13h24

Manifestantes fecham fronteira que liga Bolívia a Corumbá

Correio do Estado

Caminhoneiros reforçaram protestos na manhã de hoje - Foto: Capital do Pantanal

Operários, médicos e caminhoneiros fecharam a fronteira entre Bolívia e Corumbá, na manhã de hoje (9). Os protestos estão ocorrendo na Ponte da Amizade e são decorrentes as medidas do presidente boliviano, Evo Morales, implantadas em dezembro que limitam manifestações públicas.

 

 

Além da proibição dos protestos, Evo também liberou a entrada de médicos cubanos, o que motivou os profissionais da saúde a irem para às ruas na tarde de ontem (8).

 

De acordo com o site Capital do Pantanal, mesmo com a intimidação do último protesto feito em dezembro, os profissionais da saúde retornaram às ruas da cidade de Puerto Quijaro, na Bolívia, com cartazes e gritos de palavras de ordem contra a convocação de estrangeiros para ocupar seus lugares, com vantagens que não são oferecidas aos bolivianos.

 

Dentre as imposições de Morales está a limitação de manifestações, o que o movimento dos médicos também rechaça, por ameaça ao direito de ir e vir e de expressão.

 

CARRETEIRA

 

Há menos de 15 dias, o cenário de violência motivou o fechamento da rodovia Carreteira, formando filas quilométricas de veículos, impedindo o tráfego entre Puerto Suarez a Santa Cruz de La Sierra. E hoje, mesmo aqueles arrependidos por terem votado no que chamam de ‘velho cocaleiro’, não conseguem tirá-lo do poder em que se perpetua por meio de artifícios que dissimulam o regime duro em democracia.

 

Manifestantes também disseram que estão fazendo greve de fome que durará até o momento que o presidente recue da decisão ou negocie com os líderes do movimento.

 

Ainda segundo informações do Capital do Pantanal, o governo boliviano mandou deletar os vídeos sobre o movimento que estavam sendo publicados pelo jornal ‘El Deber’, o principal do país.

 

Os médicos bolivianos, ao contrário dos brasileiros, que aceitaram os cubanos trazidos por Dilma Rousseff goela abaixo, afirmam que não vão ceder.

 

Ontem a fronteira não tinha sido fechada, mas na manhã de hoje, manifestantes receberam reforços de caminhoneiros e ela permanece interditada. Mas, há equipes de choque da guarda de Evo Morales posicionadas para manter o movimento no menor espaço possível, ou no aguardo da ordem de dissolver a manifestação com o mesmo vigor praticado no ato anterior. 








Leia mais notícias de Policial

0 Comentários

publicidade